SEIS HÁBITOS QUE PREJUDICAM A FERTILIDADE MASCULINA

1. Ficar acordado até tarde
Se você é daqueles que gosta de ficar mexendo no celular ou assistindo Netflix até tarde mesmo quando tem que acordar cedo no dia seguinte, talvez seja hora de rever alguns hábitos. Um estudo preliminar publicado no periódico científico Fertility & Sterility sugere que homens que dormem menos de seis horas por noite têm uma probabilidade 31% menor de engravidar suas parceiras do que aqueles que têm de sete a oito horas de sono por noite. De acordo com os pesquisadores, a falta de sono diminui a produção de testosterona, hormônio essencial para a produção de esperma. No entanto é preciso cautela e principalmente equilíbrio, pois muito sono também é prejudicial. Homens que dormiam mais de nove horas por noite também demonstraram níveis mais baixos de fertilidade.

2. Sexo com lubrificante
Outro estudo publicado no periódico Fertility & Sterility, em 2014, mostrou que lubrificantes como o KY podem prejudicar a motilidade – capacidade de nadar até o óvulo – do espermatozóide e, consequentemente, dificultar a gravidez. A razão para isso seria a consistência pegajosa da substância. “Eles são ótimos para relações sexuais [quando você não está tentando engravidar], mas podem agir um pouco como uma barreira espermicida”, disse Ajay Nangia, especialista em infertilidade masculina e professor de urologia na Universidade do Kansas, nos Estados Unidos, à versão americana da revista Men’s Health. Além disso, eles também podem conter ácido clorídrico, um conservante que pode matar os espermatozóides. Lembrando que isso não significa que o lubrificante pode ser usado como método contraceptivo.

3. Não comer peixe
Uma dieta rica em peixe pode salvar seus nadadores. Quando pesquisadores de Harvard analisaram a dieta e a qualidade do sêmen de 155 homens, eles descobriram que os indivíduos que comiam mais peixe – especialmente peixes ricos em ômega-3 como salmão ou atum – apresentavam contagens e níveis mais elevados de espermatozóides e de esperma normal e saudável do que aqueles que comiam menor quantidade do alimento. Por outro lado, homens que comiam maior quantidade de carne processada, como bacon, cachorro-quente e salame, tiveram a menor contagem de espermatozóides e os níveis mais altos de espermatozóides anormalmente formados em comparação com os homens que comiam menos. Segundo os pesquisadores, as carnes processadas podem diminuir os hormônios reprodutivos como a testosterona, enquanto os ácidos graxos ômega-3 encontrados nos peixes promovem a formação de espermatozóides mais saudáveis.

4. Se estressar
Homens com níveis mais altos de stress têm esperma de pior qualidade em comparação com homens que relatam se sentirem menos irritados. A conclusão é de um estudo conduzido pela Universidade de Columbia, nos Estados Unidos. Segundo Nangia, altos níveis de stress podem atrapalhar a produção dos seus hormônios reprodutivos ou levar à criação de proteínas inflamatórias que prejudicam o esperma.

5. Guardar o celular no bolso
Guardar seu celular no bolso pode não ser uma boa idéia se você está tentando ter um filho. Isso porque a exposição do sêmen ao celular pode “machucar” a maneira como seu esperma se move e reduzir a quantidade de espermatozóides. De acordo com uma revisão britânica de dez estudos, a radiação emitida pelos celulares pode causar danos ao DNA do esperma e o calor emitido pelo aparelho pode elevar a temperatura do escroto e prejudicar a produção de esperma.

6. Exagerar no álcool
Uma cerveja ou taça de vinho ocasional não faz mal a ninguém. Por outro lado, exagerar no consumo de álcool está relacionado a baixos níveis de testosterona, baixas contagens de esperma e menor quantidade de espermatozóides saudáveis. Um estudo dinamarquês concluiu que beber 25 ou mais doses de bebida alcoólica por semana está associada a um declínio significativo na qualidade do esperma. Já homens que consumiam 40 doses semanais tiveram uma contagem de esperma 33% menor e um esperma 51% menos saudável do que aqueles que bebiam entre uma e cinco doses por semana. “O álcool é uma toxina e seu cérebro não é a única coisa que dói – o álcool também pode diminuir seus níveis de testosterona, o que pode prejudicar sua produção de esperma.”, afirmou Nangia.
Fonte: Revista Veja

LEIA TAMBÉM