Dia Mundial de Luta Contra as Hepatites

O Dia Mundial de Luta Contra as Hepatites é comemorado no dia 28 de julho, e nesse mês também foi constituído a Campanha Julho Amarelo que tem por finalidade reforçar as ações de vigilância, prevenção e controle das hepatites virais. Por isso preparamos um conteúdo com as principais dúvidas sobre os tipos de hepatites.

Para você entender melhor qualquer inflamação no fígado provocada por substâncias químicas ou microrganismos é chamada de hepatite. Aquelas causadas por vírus são classificadas como A, B, C, D, E, F e G. Cada uma dessas letras corresponde a um tipo de vírus que ataca o fígado de forma diferente. Algumas são curadas naturalmente pelo corpo, outras podem se tornar crônicas e outras podem levar até a morte.

Diagnosticar a hepatite precocemente é a melhor forma de obter maiores chances de eficácia com o tratamento.

Hepatite A – causada pelo vírus A (VHA)

Contágio – Por via oral, principalmente, água contaminada ou alimentos contaminados.

Sintomas – Náuseas, vômito, diarreia, cor amarelada na pele e na parte branca dos olhos (chamada de esclera) e escurecimento da urina

Diagnóstico: É realizado por exame de sangue. Após a confirmação, o profissional de saúde, indicará o tratamento mais adequado.

Tratamento – Em 99% dos casos; ela é curada naturalmente pelo organismo em duas ou três semanas. Já existe vacina contra ela.

Como se prevenir: Melhorar as condições de higiene e de saneamento básico, lavar sempre as mãos, consumir apenas água tratada, evitar contato com valões, riachos, chafarizes, enchentes ou próximo de onde haja esgoto a céu aberto.

HEPATITE B – é uma doença infecciosa também chamada de soro-homóloga, causada pelo vírus B (HBV)

Contágio – Pelo sangue, leite materno e principalmente por contato sexual.

Sintomas – Os mesmos da hepatite A: náuseas, vômito, diarreia, cor amarelada na pele e na parte branca dos olhos e escurecimento da urina.

Diagnóstico: É feito por meio de exame de sangue específico.

Tratamento – Em 50% dos casos, ela desaparece naturalmente. Nos outros 50%, se torna crônica, mas já existem remédios eficazes.

Como se prevenir: Usar camisinha em todas as relações sexuais e não compartilhar objetos de uso pessoal.

HEPATITE C– causada pelo vírus C (HCV)

Contágio – Pelo sangue; de mãe infectada para o filho durante a gravidez e por contato sexual.

Sintomas – Os principais sintomas são: são cansaço, tontura, enjoo e/ou vômitos, febre, dor abdominal, pele e olhos amarelados, urina escura e fezes claras.

Diagnóstico: Depende do tipo do vírus (genótipo) e do comprometimento do fígado (fibrose).

Para isso, é necessária a realização de exames específicos, como biópsia hepática nos pacientes sem evidências clínicas de cirrose e exames de biologia molecular.

Tratamento – Não existe vacina e, em 80% dos casos, ela se torna crônica. Os medicamentos atuais somente são eficazes em metade dessas incidências.

Como se prevenir: Usar camisinha em todas as relações sexuais e não compartilhar objetos de uso pessoal.

HEPATITE D – também chamada de Delta; é causada pelo vírus D (VHD)

Contágio: Assim como a do vírus B, ocorre por relações sexuais sem camisinha com uma pessoa infectada; de mãe infectada para o filho durante a gestação, o parto ou a amamentação; e o compartilhamento de objetos de uso pessoal.

Sintomas: Da mesma forma que as outras hepatites, a do tipo D pode não apresentar sintomas ou sinais discretos da doença. Os mais frequentes são cansaço, tontura, enjoo e/ou vômitos, febre, dor abdominal, pele e olhos amarelados, urina escura e fezes claras.

Diagnóstico: A gravidade da doença depende do momento da infecção pelo vírus D. Pode ocorrer ao mesmo tempo em que a contaminação pelo vírus B ou atacar portadores de hepatite B crônica (quando a infecção persiste por mais de seis meses). Na infecção simultânea dos vírus D de B, na maioria das vezes, manifesta-se da mesma forma que hepatite B aguda. Já na infecção pelo vírus D em portadores do vírus B, o fígado pode sofrer danos severos, como cirrose ou até mesmo formas fulminantes de hepatite.

Tratamento: Não existe tratamento específico para a forma aguda, tudo depende da avaliação médica de cada caso.

Como se prevenir: Como a hepatite D depende da presença do vírus B para se reproduzir, as formas de evitá-la são as mesmas do tipo B da doença.

HEPATITE E– doença infecciosa causada pelo vírus VHE – ocorrência rara no Brasil

Contágio: Sua transmissão é fecal-oral, por contato entre indivíduos ou por meio de água ou alimentos contaminados pelo vírus.

Sintomas: As mais frequentes são cansaço, tontura, enjoo e/ou vômitos, febre, dor abdominal, pele e olhos amarelados, urina escura e fezes claras.

Diagnostico: Realizado por exame de sangue, no qual se procura por anticorpos anti-HEV.

Tratamento: Na maioria dos casos, a doença não requer tratamento, sendo proibido o consumo de bebidas alcoólicas, recomendado repouso e dieta pobre em gorduras.

 

As hepatites virais são doenças silenciosas e graves. O diagnóstico precoce amplia a eficácia do tratamento. Ainda com dúvidas? Consulte seu médico de confiança.

IMPORTANTE: Toda mulher grávida precisa fazer o pré-natal e os exames para detectar a hepatites, a HIV e a sífilis, pois esse cuidado é fundamental para evitar a transmissão de mãe para filho.

LEIA TAMBÉM